sábado, 6 de fevereiro de 2016

.RIO DE JANEIRO-DIA 3


Iniciámos o nosso terceiro e último dia na cidade do Rio de Janeiro com um sorriso no rosto.
Pela primeira vez desde a nossa chegada vimos o sol.
Fizemos o check out no hotel e não perdemos mais tempo.Queríamos sair rapidamente à rua e aproveitar ao máximo as derradeiras horas na Cidade Maravilhosa.
Os planos para hoje eram simples.A grande prioridade era como é obvio a subida ao Corcovado.Tudo o que conseguíssemos acrescentar seria lucro!



Caminhámos até Cinelândia,apanhámos o metro e saímos na estação Cardeal Alcoverde.A passo apressado seguimos na direção da Praça Lido que é um dos pontos onde são vendidos os bilhetes de acesso ao símbolo maior do Rio de Janeiro.
Existem diversas maneiras de chegar e visitar o tão badalado Cristo Redentor.
-A primeira e provavelmente a mais utilizada é apanhando o Bondinho/Trem do Corcovado que se situa na Rua Cosme Velho 513.O trajecto desde este local até ao topo do morro leva aproximadamente 30 minutos a realizar.O preço é de 68R$.
-A segunda (que foi aquela que escolhemos) trata-se de umas van's da companhia Paineiras que partem com intervalos regulares da Praça Lido (copacabana) ou do Largo do Machado.O preço cobrado por este serviço é de 64 R$ e que à semelhança do trem também transporta os visitantes até aos pés do Cristo Redentor.
-A terceira que à primeira vista pode parecer a mais cómoda (mas não é) mas é sem dúvida a mais dispendiosa.A opção Taxi é sempre uma boa alternativa para aqueles com pouca paciência e que não pretendem perder muito tempo para comprarem os ingressos para os transportes alternativos.Mas nem tudo são rosas,visto que os taxis não têm autorização para aceder à última etapa do trecho e são obrigados a descarregar os passageiros numa área que se situa a mais ou menos quatro quilómetros do local onde se encontra o cristo.
Para realizarem a descida,quem escolher fazer o trajecto no taxi terá de fazer a pé o percurso no sentido contrário e voltar a apanhar um taxi para regressar à base.Esta opção na nossa opinião não compensa.
Quando chegámos à dita bilheteira da Praça Lido demos de caras com uma fila gigantesca que quase nos fez entrar em pânico.Dava a ideia de que hoje,toda a gente se tinha lembrado de subir ao Corcovado.Conversa aqui conversa ali,ficámos a saber que este cenário é igual todos os dias.



Entrámos na fila e para nosso desespero,uma hora depois de ali estarmos,tínhamos avançado no máximo uns dez metros.O pior é que íamos vendo os bilhetes a desaparecer.A situação não estava famosa!  
A nossa sorte foi que quando a Paula decidiu ir verificar o andamento da fila,acabou por conhecer uns turistas Australianos que gentilmente se ofereceram para nos comprarem os tickets.
Foi como se nos tivesse saído o jackpot.
Mesmo assim só conseguimos transporte para as 12:30.



Tendo cerca de duas horas livres,achámos por bem não nos afastarmos muito deste local.
Como na véspera a desilusão tinha sido grande,hoje resolvemos aproveitar o magnífico dia de sol e regressámos à Praia de Copacabana para agora sim desfrutar daquele lindíssimo e extenso areal.
Dois dias,duas realidades!Até parecia que hoje estávamos num mundo completamente diferente daquele que tínhamos visitado no dia anterior.Se dúvidas houvessem,esta era a prova evidente de que um dia de sol influência de forma avassaladora a nossa opinião sobre qualquer que seja o local. 



Fomos andando em ritmo de passeio pelo Calçadão e quando demos por nós Ipanema já estava ali ao "virar da esquina".




Resolvemos recarregar baterias no extremo sul desta famosa praia,numa área que se chama Pedra do Arpoador,que é um dos locais de eleição para assistir ao mais fantástico pôr-do-sol da cidade do Rio de Janeiro.


Como não teríamos hipóteses de desfrutar desse momento,limitámo-nos a apreciar a paisagem ao mesmo tempo que nos refrescávamos com uma deliciosa água de côco.
São momentos como estes que marcam uma viagem.




Estava na hora de regressar.Apanhámos um ônibus para a Praça do Lido e à hora marcada entrámos na van que nos iria levar até ao Corcovado.
Lá em cima,como seria de esperar a confusão era muita.Depois de nos terem controlado os ingressos,subimos os últimos lances de escadas que nos conduziram ao ponto mais alto da 
cidade.



Sobre as nossas cabeças ergue-se a a grandiosa estátua do Cristo Redentor que com os braços abertos parece preparar-se para abraçar a cidade maravilhosa.
À nossa volta centenas de pessoas posam e acotovelam-se para conseguirem a "foto perfeita" que testemunhe a sua passagem por aquele que é considerado o verdadeiro símbolo do Rio de Janeiro .



Embora mais contidos,nós também o fizemos.Queríamos eternizar a nossa visita,pois das Sete Maravilhas do Mundo Moderno o cristo era a sexta que riscávamos de nossa lista.
Já só falta uma.Já só falta o Taj Mahal! 



Com muita pena nossa estava na hora de nos despedirmos da Cidade Maravilhosa. 
Nesse final de tarde e depois de irmos recuperar as mochilas ao hostel,dirigido-nos para o Terminal Rodoviário Novo Rio onde apanhámos um bus para o nosso próximo destino.
Paraty aqui vamos nós!

Outras crónicas sobre o Brasil:
-Rio de Janeiro Dia#1
-Rio de Janeiro Dia#2
-Rio de Janeiro Dia#3
-Paraty
-Trindade
-Petrópolis

Podem acompanhar as nossas viagens e ver as fotos deste e de outros destinos na pagina do Diario das Viagens no Facebook.

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Sem duvida.As nossas mochilas regressaram a casa cheias de momentos que não esqueceremos.

      Eliminar