sexta-feira, 19 de setembro de 2014

.VALLETTA - COMO OCUPAR UM DIA NA CAPITAL DE MALTA


Ainda que o território de Malta seja composto por três pequenas ilhas isso não implica que  este não se assuma como um destino bastante apetecível, no qual é perfeitamente possível passar uma agradável semana de férias.
Com um passado enriquecido por diversos séculos de história e com paisagens naturais lindíssimas, Malta conquista desde o primeiro contacto todos os que ali chegam, assumindo desde logo o compromisso de que de forma alguma faltarão motivos para que a sua passagem pelo país seja recheada de momentos únicos.
A cidade de Valleta, situada na costa oriental da ilha principal, ocupa uma área relativamente pequena e que sem dificuldades de maior se percorre facilmente a pé. 
Esta que é a principal cidade do arquipélago, assim como a capital da nação, nasceu na encosta de uma pequena colina e ao longo da qual se alongam ruas e ruelas, muitas delas de aspeto medieval.
A área designada por centro histórico encontra-se abraçada por uma muralha e ainda que sejam vários os pontos de interesse nela presentes, achamos que um dia será suficiente para ficar a conhecer o melhor que esta zona tem para oferecer.





Malta foi eleita capital Europeia da Cultura em 2018, e para essa importante distinção muito contribuiu a sua riqueza histórica assim como os lindíssimos palácios, igrejas, o forte e o porto marítimo.
O mar que por aqui brilha num azul diferente daquele que estamos habituados e os tons ocre que cobrem a quase totalidade de malha urbana envolvente, fazem com que qualquer passeio pela cidade se transforme numa experiência apaixonante.
Nesta crónica e tendo em conta a nossa passagem pela cidade, deixamos algumas sugestões de locais e experiências que seguramente irão enriquecer ainda mais a sua visita.


O QUE VISITAR EM VALLETTA - AS NOSSAS SUGESTÕES:

1.PORTA DA CIDADE
Inevitavelmente, o ponto de partida para qualquer passeio pela cidade de Valletta deverá ser a Porta da Cidade.
Em Maltês pronuncia-se Bieb il-Belt, e no momento da nossa passagem este espaço encontrava-se em obras, razão pela qual não nos foi possível ter a verdadeira noção da sua beleza. Tendo sido construída entre 1566 e 1569 para ser o principal acesso ao interior das muralhas, teve como primeira designação oficial o nome de Porta de San Giorgio. Anos mais tarde, em 1632 a porta foi substituída por outra mais ornamentada que por culpa das diversas alterações sofridas ao longo dos séculos já não existe. Em 2011 iniciaram-se mais uma vez alguns trabalhos de modernização desta área que seguramente lhe irão dar um aspeto mais sofisticado.

Porta da Cidade

2.ANTIGA ÓPERA
Poucos metros depois de transpor a porta da cidade, erguem-se no nosso lado direito algumas  colunas que resistiram ao passar do tempo e que nos mostram que neste local já existiu algo importante. Rezam as crónicas do passado que este terá sido um dos edifícios mais elegantes da capital, mas hoje a história é bem diferente e da antiga Ópera já pouco ou nada resta. O espaço foi originalmente construído em 1873 e durante mais de cem anos foi um dos locais mais encantadores da cidade. Infelizmente foi completamente destruída pelos bombardeamentos que atingiram esta região aquando da Segunda Guerra Mundial.
Apesar de já por diversas vezes terem sido feitos projectos tendo em vista a sua reconstrução, a verdade é que até agora ainda não foi possível trazê-la de volta à vida.
Mesmo em ruínas ainda ali se continuam a realizar alguns espetáculos artísticos, concertos e peças de teatro.

               
Antiga Ópera
Antiga Ópera

Antiga Ópera

3.ALBERGUE DE CASTILHA, LEÃO E PORTUGAL
Nas traseiras da antiga ópera fica mais um bonito e imponente edifício.
Este Albergue é um dos sete que foram construídos no século XVI para acolher os cavaleiros da ordem de S.João que chegavam à cidade. Este em particular recebeu os que representavam os reinos de Castilha, Leão e Portugal.
Ainda que não seja possível visitar o interior vale a pena passar por este local para admirar a sua incrível fachada de estilo barroco que ainda conserva os escudos de Espanha e Portugal por cima da janela central. 




4.UPPER BARRAKKA GARDENS
A uma curta distância do Albergue de Castilha é possível visitar estes luxuriantes jardins, nos quais saberá certamente bem fazer uma pausa sob as muitas sombras ali existentes. 
Neste que é um dos mais bonitos espaços verdes da capital, o visitante também terá a oportunidade de deslumbrar com uma incrível vista panorâmica sobre o "Grand Harbour" e onde pela primeira vez poderá ver o mar que brilha num azul radiante.
Em baixo encontra-se uma zona chamada de Saluting Battery de onde diariamente, ao meio dia, é disparada uma salva de canhão. Em frente veem-se claramente as três cidades (Vittoriosa, Senglea e Cospicua) que iremos visitar num dos próximos dias.




5.TRIQ IR-REPUBBLIKA
Depois de visitar os jardins, fazemos o caminho inverso e regressamos praticamente ao local onde iniciámos o dia, mas desta feita para percorrer a principal avenida da capital. 
Esta artéria parcialmente pedonal percorre literalmente o centro histórico de uma ponta a outra, tendo início na porta da cidade e só terminando com a chegada ao Forte St.Elmo. Além das lojas, bares, restaurantes e esplanadas nela presentes, também encontrará alguns dos pontos de interesse listados nesta nossa crónica.




6.CO-CATEDRAL DE S.JOÃO
Sensivelmente a meio da Triq ir-Repubblika viramos à direita, entramos na Triq San Gwann e poucos metros depois surge a bonita fachada de estilo barroco do mais importante espaço religioso de Valletta. Ainda que a primeira impressão não seja de imediato deslumbramento, acreditamos que a sua opinião se alterará quando visitar o interior.
Uma vez que este é um dos mais visitados locais da cidade, poderá em algumas épocas do ano ser confrontado com algumas filas.
Mal entramos somos completamente esmagados pela grandiosidade e riqueza de tudo o que nos rodeia, especialmente na nave principal onde a decoração parece ter sido pensada e executada de forma a impressionar. Cada centímetro das paredes, colunas, tecto e chão encontra-se preenchido com esculturas, frescos e pedras tumulares. De ambos os lados da nave existem diversas capelas, cada uma dela representando as várias nações da ordem de S. João, onde se inclui Portugal. Este espaço está indicado com o número 15 no mapa que nos é fornecido com o bilhete.
O ingresso dá igualmente acesso ao museu da catedral, onde além de alguns "tesouros" religiosos temos também a oportunidade de ver duas pinturas originais de Caravaggio.
NOTAS IMPORTANTES: 
.Os visitantes deverão estar vestidos correctamente assim como evitar os sapatos de salto agulha que podem em alguns casos danificar o chão.
.O acesso ao interior da Catedral é feito através da Triq ir Repubblika.


Fachada da Co-Catedral de S.João
           
Interior Co-Catedral de S.João
Capela de Castilha,Léon e Portugal

7.PALÁCIO DO GRÃO MESTRE
Depois de sair da Catedral o passeio continua pela Triq ir-Repubblika, e só será preciso caminhar meia dúzia de metros para chegar à Praça Misrah San Gorg onde se encontra outro dos ícones da cidade. Do lado direito ergue-se o Palácio do Grão Mestre e tal como a Catedral o que vemos por fora não traduz minimamente a beleza presente para lá da simples fachada. 
Como na maior partes dos casos as aparências tendem a enganar, sugerimos que compre o devido ingresso de forma a poder conhecer um dos mais incríveis locais da cidade.
Este palácio construído no século XVI com o propósito de servir de residência aos Grão Mestres da ordem de S.João, esconde no seu interior uma suntuosa coleção de peças de decoração e valiosas obras de arte que nos dão a conhecer um pouco do passado histórico do país.
O bilhete que dá acesso ao Palácio permite igualmente a visita à bem guarnecida sala das armas.


Interior

8.CAFFÉ CORDINA
Por esta altura a barriga já deve reclamar algum consolo e sugerimos que o almoço aconteça no Caffé Cordina.
Fundado em 1837, este é um dos mais antigos cafés da cidade e também um dos mais frequentados por turistas.
Ainda que a esplanada seja o local ideal para saborear a sua refeição ou até um simples café, não se esqueça de espreitar o interior que ainda mantém alguns traços da sua decoração original. Vale mesmo a pena!
Por dois refrescos e uma Pizza que dividimos, pagamos 12 euros. 

Caffé Cordina
Esplanada

9.MISRAH SAN GORG
Já com o estômago aconchegado, continuamos o passeio que agora nos leva de volta à Praça Misrah San Gorg para contemplar com mais calma o edifício do Palácio da Justiça. Se o calor apertar refresque o corpo com a água que brota dos vários repuxos ali existentes.




10.LOWER BARRAKKA GARDENS E MEMORIAL AOS MORTOS DA 2° GUERRA MUNDIAL
Deixamos para trás a Triq ir-Repubblika e entramos agora na Triq L-Arcisqof. Continuamos calmamente por esta rua com pouco movimento até alcançarmos as margens da Península de Valletta, local onde se encontram os Lower Barrakka Gardens. Tal como o nome indica o local é ocupado por um espaço verde, relativamente parecido com o que visitámos no ini1cio do dia (Upper Barrakka Gardens), ainda que este se situe na zona baixa da cidade.  
Depois de um curto passeio, atravesse a rua e vá visitar o Memorial aos Mortos da 2° Guerra Mundial que embora seja uma construção simples tem um enorme significado para as gentes locais.
Se tiver sorte pode ser que assista ao momento em que o enorme sino se faz ouvir, homenageando aqueles que perderam a vida na fatídica guerra. Segundo ficámos a saber este ritual acontece a todas as horas do dia.


 


11.FORTE ST.ELMO
Prosseguimos a nossa caminhada pelas margens da península e chegamos ao Forte de St.Elmo (nome dado em honra do padroeiro dos marinheiros).
Esta antiga fortaleza foi construída em 1552 com o objetivo de proteger o "Grand Harbour" assim como o Porto de Marsamxett. 
Apesar de não se encontrar aberto ao público achamos que vale a pena passar por este local para mais uma vez apreciar a paisagem marítima de onde se destacam a ilha Manoel, a área de Sliema (do lado direito) e as cidades de Vittoriosa e Senglea (à esquerda).

Forte St.Elmo
Forte St.Elmo

12.MUSEU NACIONAL DA GUERRA
Mantemo-nos na mesma área e convidamo-vos a visitar o Museu Nacional da Guerra instalado no Forte St.Elmo e onde está guardada uma interessante coleção de objetos que de certa forma testemunham os momentos vividos pelo povo Maltês durante a 2°Guerra Mundial.
Para além das inúmeras fotografias que mostram o estado de grande destruição em que Valletta se encontrava após os intensos bombardeamentos sofridos durante esse período, também podemos ver algum armamento bélico usado na defesa do território quando a Itália declarou guerra a Malta em 1940. 

Museu Nacional da Guerra
Museu Nacional da Guerra

13.TEATRU MANOEL
Se seguirmos pela Triq it-Teatru L-Antik, encontramos o histórico Teatru Manoel, erguido em 1731 pelo Português e antigo Grão Mestre António Manoel de Vilhena.
O espaço é extremamente rico, especialmente a arquitetura interior, na qual é possível perceber as influências barrocas usadas na sua decoração. 
O ingresso inclui a utilização de um audio-guia que achámos bastante útil e nos dá a conhecer um pouco da história do teatro desde a sua construção até aos dias de hoje.


           
António Manoel de Vilhena
Teatru Manoel

14.IGREJA CARMELITA
Com o dia a aproximar-se do fim ainda haverá certamente tempo para visitar a bonita Igreja Carmelita, situada a uma curta distância do Teatru Manoel.
Ainda que existam várias dezenas de igrejas espalhadas pelo centro histórico, esta é talvez aquela que mais se destaca, uma vez que consegue ser avistada a partir de qualquer ponto da cidade.  
O interior é simples, e depois de hoje nos termos cruzado com alguns dos mais bonitos monumentos da capital, acabámos por ficar de certa forma decepcionados com a decoração visivelmente mais modesta que aquela que testemunhámos na Co-Catedral de S.João. Ficámos também com a ideia de que este é um local pouco procurado por turistas e durante o tempo que ali permanecemos tivemos a sorte de ter o espaço só para nós, dando-nos a oportunidade de o percorrer sem pressas e em completo silêncio.

           
A cúpula 
Interior

Termine o dia com um passeio ao longo da margem norte da península e no final, se estiver hospedado na área de Sliema, apanhe um dos barcos que de forma regular realizam a travessia do pequeno "estreito" que separa estas duas áreas da cidade.
Apesar da viagem não demorar mais de dez minutos, temos a certeza que vai ser extremamente reconfortante assistir ao momento em que o sol se aproxima do horizonte, pintando de tons dourados grande parte da paisagem envolvente. 
.LEIA TAMBÉM: MALTA - ROTEIRO COMPLETO PARA UMA SEMANA



Ainda que este roteiro tenha sido organizado tendo em conta os nossos gostos e interesses, achamos que com algumas adaptações poderá ser um ótimo ponto de partida para começar o preparar a sua passagem pela cidade de Valletta. 



Pode acompanhar as nossas viagens e ver as fotos deste e de outros destinos na pagina do Diário das Viagens no Facebook.

2 comentários:

  1. Como estou prestes a partir para Malta li e tirei notas com o maior interesse. Na volta, direi mais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para nós malta revelou-se uma agradável surpresa.
      Aproveita porque há muito para conhecer.
      Boa viagem.

      Eliminar