sábado, 19 de novembro de 2016

.MAAFUSHI, O OUTRO LADO DAS MALDIVAS


Ninguém diria que estou nas Maldivas...aquele local onde tudo é chique.
Cheguei ontem ao final da tarde e esta noite acabei por dormir poucas horas. O maldito jet-lag fez-me madrugar!
Encontro-me sentado na esplanada do hotel que servirá de abrigo nos próximos dias.
Para já, o mar incrivelmente azul que tenho diante mim, é o único sinal que me permite ter a certeza que me encontro naquele destino de luxo banhado pelo Oceano Indico, que segundo dizem, só ser acessível a certas carteiras.


Mas será que é mesmo assim? Talvez seja mais que isso, ou menos...
Este é certamente o outro lado das Maldivas, aquele que poucos conhecem. Relativamente diferente dos wallpapers que usamos como imagem de fundo nos nossos computadores e nos fazem sonhar. Aquele lado que as agências de viagens não mostram. Talvez porque não interessa, não vende pacotes turísticos de milhares de euros.

Percorrendo a costa Este


É sobre Maafushi que escrevo. É aqui que estou e onde ficarei nos próximos dois/três dias. Não é uma ilha privada como a maioria que compõem o arquipélago, esta é das poucas onde é possível fazer turismo independente de forma low cost.
Contudo as limitações e as restrições para quem a visita são bem visíveis. Acima de tudo o importante é respeitar quem aqui vive.
Mal chegámos ao hotel a mensagem é passada de forma clara, para que ninguém tenha dúvidas. É preciso ter atenção ao que se veste. Nada de muito ousado, principalmente as senhoras.
Aqui e apesar do intenso calor que se faz sentir não posso beber uma simples cerveja fresca. Interrogo-me mesmo se nesta pequena ilha exista algum lugar que arrisque a venda de qualquer bebida alcoólica. E que bem que me sabia!

Maafushi Village

Mesmo ali ao lado, a não mais de cem metros do local onde me encontro, consigo vislumbrar homens, mulheres e crianças que tomam banho completamente vestidos no mesmo mar azul turquesa onde à pouco me refresquei.

Para mim é estranho, mas obviamente normal para quem aqui vive.
Os turistas têm direito a um pequeno luxo; uma praia privada, situada num dos extremos da ilha. Aqui é o local onde umas cuecas fio dental não ferem suscetibilidades e onde bronzear a pele é um ritual banal.
"Welcome to the "Bikini Beach", pode ler-se à entrada deste pedaço de areia com talvez uma centena de metros de comprimento e de onde brotam meia dúzia de palmeiras. Todo este espaço se encontra protegido por uma cerca que funciona literalmente como muralha, muralha essa erguida para dividir dois mundos. O turismo assim o obriga.

Public Beach
Em Maafushi nem tudo é perfeito.A beleza está nos detalhes
Bikini Beach
Bikini Beach
Ao passear pelas ruas mais interiores da ilha, a influência da religião islâmica está à vista de todos. Cruzamo-nos com homens e mulheres na sua vida diária, elas de cabeça coberta com o típico hijab. Muitos deles sorriem, cumprimentam-nos ainda que de forma tímida mas simpática. Percebe-se claramente que os visitantes são bem vindos, porque quer queiramos quer não, são esses intrusos temporários que trazem o dinheiro e que geram empregos.

Maafushi Village


São assim as Maldivas que escolhemos visitar, sem filtros nem realidades camufladas, e onde teremos a oportunidade de fazer tudo o que se pode fazer nas Maldivas, mas de forma mais económica.


Claro que sabíamos de antemão ao que vínhamos. Não fomos apanhados de surpresa. Foi obviamente um assunto discutido a dois e onde ponderamos todos os prós e contras. Ganharam os prós e nós também!

-OUTRAS CRÓNICAS SOBRE AS MALDIVAS:

  Podem acompanhar as nossas viagens e ver todas as fotos desde e outros destinos na página do Diário das Viagens no Facebook.

Sem comentários:

Enviar um comentário