segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

.UMA SURPRESA CHAMADA ASSUÃO


Soube-nos bem chegar a Assuão. Os dias que passámos no Cairo tiraram-nos o fôlego e estávamos mesmo a precisar de um lugar assim, onde pudéssemos respirar.
Depois de um voo que durou menos de uma hora chegámos ao extremo oposto do país, não muito longe da fronteira que separa o Egito do Sudão. Ao contrário do que havia sucedido até aqui, à nossa chegada somos recebidos por um céu pintado de azul. Ainda assim o calor tremendo que nos acompanhou durante a nossa estadia na capital é por esta altura atenuado por uma agradável brisa, que trazida pelas águas tranquilas do Rio Nilo vai empurrando as muitas faluas que aquela hora por ali vão deslizando.

Sabemos que o tempo é escasso. Na verdade temos menos de um dia na cidade e uma ambiciosa lista de locais a visitar, que implicará alguma ginástica da nossa parte. 
Com a bagagem largada à pressa no modesto hotel que escolhemos para esta curta estadia, saímos à rua onde depois de várias tentativas conseguimos arranjar um táxi que por um preço aceitável se comprometeu a acompanhar-nos e a seguir o roteiro previamente discutido.


-O QUE VISITAR EM ASSUÃO

.OBELISCO INACABADO
É de certa forma irónico que um obelisco que nunca chegou a ser terminado tenha quase a mesma importância que todos aqueles que se erguem por esse mundo fora. A sua fama prende-se com o facto de que caso tivesse sido acabado seria o maior alguma vez esculpido, com uns impressionantes 42 metros de altura e com um peso a rondar as 1200 toneladas.
A verdade é que durante o processo de criação e talvez por algum erro de planificação a gigantesca peça começou a registar fraturas fatais que impediram que a obra fosse terminada.
O obelisco encontra-se no interior de uma pedreira, não muito distante do centro da cidade de Assuão.
-VALOR DO INGRESSO: 80 EGP




.ASWAN HIGH DAM 
A permanente instabilidade do caudal do Rio Nilo sempre foi uma preocupação para o Egito. Em anos de seca a escassez de água na região punha em causa o cultivo da terra assim como o abastecimento da população. Já em períodos de maior caudal tudo se complicava, e tornando impossível toda e qualquer atividade de muitos daqueles que habitavam nas margens do grande rio. 
A construção da grande barragem de Assuão foi a solução encontrada para regular os níveis nas zonas ribeirinhas. Esta é sem dúvida uma obra marcante, que teve o condão de alterar para melhor o nível  de vida das gentes e que sem surpresas se tornou num marco importante, assim como local de passagem obrigatória para quem visita esta cidade.
-VALOR DO INGRESSO: 75 EGP




.MONUMENTO DA AMIZADE ENTRE O EGITO E A RÚSSIA
Para lá da imponência da barragem, não há estrutura que se destaque mais na paisagem envolvente do que o vistoso monumento em forma de flor de lótus que assinala a amizade entre as nações Egípcia e Russa. Esta bonita obra foi erguida com o propósito de homenagear o precioso e importante apoio do governo da Rússia durante e após a conclusão da grande barragem de Assuão.
-ENTRADA GRATUITA




.TEMPLO DE PHILAE
Depois da construção da Grande Barragem de Assuão e da consequente subida do nível do caudal a sul, tornava-se urgente salvar este lindíssimo monumento, uma vez que com o passar do tempo iria ficar completamente submerso. Tal como aconteceu com o Templo de Abu Simbel, também aqui se tomou a decisão de desmontar cada um dos edifícios que compõem o complexo, de forma a reposiciona-los num ponto mais elevado, dando-lhes literalmente uma segunda vida.
Uma vez que o templo se encontra numa pequena ilha, é necessário apanhar um barco para chegar ao local, acrescentando à experiência um bonito e relaxante passeio pelas águas do extremo norte do Lago Nasser.
Este foi sem dúvida um dos sítios que mais gostámos de visitar durante a nossa passagem por Assuão.
-BARCO ATÉ AO TEMPLO: 50 EGP POR PESSOA
-VALOR DO INGRESSO: 140 EGP




.PASSEIO DE FALUA AO PÔR-DO-SOL
O Rio Nilo além de ser provavelmente a maior fonte de vida existente em Assuão é também uma das principais artérias da cidade. Para lá dos inevitáveis navios de cruzeiro,  por ali circulam igualmente centenas de pequenas Faluas que ao sabor do vento vão deslizando sobre as águas calmas do grande rio. 
Ao final da tarde com o sol a descer no horizonte a paisagem cobre-se de tons dourados, e nós aproveitámos o momento para um agradável passeio que além de romântico também nos deu a oportunidade de ver a cidade de uma perspetiva diferente.
-VALOR PAGO: 50 EGP




.MERCADO/SOUK
Em cada cidade e em cada aldeia parece existir um ou vários destes mercados típicos nos quais se vende de tudo um pouco e onde ainda é possível testemunhar o verdadeiro espírito local.
O sol esconde-se e a cidade ganha uma outra vida. Depois de um dia de alta rotação preenchido com visitas, soube-nos bem caminhar de forma tranquila, embalados pelos pregões dos vendedores e pelo perfume das especiarias.
-ENTRADA GRATUITA



.VILA NÚBIA
A Núbia é uma região que ocupa um território que se estende desde o sul do Egito até ao norte do Sudão, sendo segundo alguns registos uma das mais antigas civilizações existentes no mundo. Este povo é conhecido como os Negros do Egito, continuando a manter os costumes de outros tempos assim como as simples mas coloridas aldeias, algumas delas situadas nos arredores de Assuão.
Este parece ser um passeio bastante procurado por quem se encontra na região, contudo nós e por falta de tempo decidimos que esta seria uma experiência que teríamos de abdicar.

.COMO NOS DESLOCÁMOS
Como já foi referido a nossa passagem por Assuão foi curta e mesmo tendo um roteiro delineado, haveria sempre a necessidade de arranjar um meio de transporte que nos permitisse chegar de forma rápida e prática a cada um dos locais pré estabelecidos.
Tendo em conta todas as condicionantes, optámos por recorrer aos serviços de um dos muitos táxis que circulam na cidade e que depois de uma acessa negociação aceitou acompanhar-nos durante o tempo desejado por 170 EGP.



Podem acompanhar as nossas viagens e ver as fotos deste e de outros destinos na página do Diário das Viagens no Facebook. 

2 comentários: