quarta-feira, 23 de julho de 2014

.HO CHI MINH CITY NUM DIA



Como tínhamos só um dia para conhecer Ho Chi Minh City,resolvemos acordar bem cedo para tentar tirar o máximo partido do pouco tempo que disponhamos.
Depois de tomar um excelente pequeno almoço,deixamos o nosso hotel por volta das 8:00am e partimos á descoberta da segunda maior metrópole do Vietname. Esta cidade é o coração econômico do país e ao longo dos anos adotou um estilo mais ocidental,onde abundam zonas comerciais com lojas das mais famosas e chiques marcas da moda mundial e também grandes edifícios de escritórios que lhe dão-lhe um ar bastante cosmopolita.
O primeiro grande impacto é o transito caótico e barulhento,com milhares de motas que mais parecem formigas atarefadas com pressa de chegar não sei bem onde e rapidamente constatamos que o simples facto de atravessar uma rua no Vietname se transforma por vezes numa aventura emocionante!
Como se costuma dizer:primeiro estranha-se mas depois entranha-se.

Milhares de motas em HCMC

Uma vez que ficamos alojados do distrito 1 (que é sem duvida um dos locais mais centrais e de onde facilmente nos podemos deslocar para qualquer lado) depressa chegámos ao inicio do trajeto que havíamos traçado previamente.


Trajeto para um dia em Ho Chi Minh City

A primeira paragem foi no edifício da câmara municipal (Ho Chi Minh City Hall ou Ho Chi Minh City People's Commitée),que nos limitamos a observar por fora,visto que é proibida a entrada ao publico.
Construído entre 1902 e 1908 este é um dos bonitos exemplos da arquitectura colonial deixada pelos franceses quando estes ocuparam e colonizaram a Indochina.
Logo em frente encontra-se um pequeno jardim onde foi erguida uma estatua ao grande pai da nação:Ho Chi Minh ou como muitos lhe chamam o tio Ho (Uncle Ho).


Vista geral da câmara municipal e da estatua de Ho Chi Minh


Estatua de Ho Chi Minh com a câmara municipal ao fundo

De seguida e depois de andarmos não mais de duzentos metros deparam-nos com a bonita Opera de Saigão,outra herança deixada pelos franceses.
Também chamada de Teatro municipal,foi construida em 1897 e mais uma vez não foi possível visitar o interior,mas vale a pena passar por aqui nem que seja só para observar a bonita fachada.


Opera de Saigão

Apesar de nos termos cruzado por diversas vezes com prédios mais velhos e menos cuidados é verdade que muitos edifícios coloniais foram recuperados e que atualmente são autênticas pérolas que nos transportam para a época dourada da Indochina francesa.

Por esta altura deviam ser umas dez da manhã e o calor já era muito,mesmo assim continuámos o nosso passeio pela cidade que aos poucos se revelava mais bonita do que havíamos imaginado.
Avançámos por algumas ruas secundarias onde os vietnamitas viviam o seu dia a dia ora nas inúmeras bancas de rua ora nas típicas lojas e restaurantes com os seus banquinhos de plástico coloridos que se enchem á hora do almoço e onde tantas vezes iríamos comer durante as próximas duas semanas.


Bancas e restaurantes de rua em HCMC

Quase sem dar-mos por isso estávamos noutra zona da cidade e tínhamos diante nós o posto dos correios.
Esta obra,mais uma deixada pelos franceses,foi projectada pelo conhecidissímo arquitecto Gustave Eiffel e que hoje em dia é um dos símbolos da cidade e também um dos locais mais visitados por turistas.
Assim que entramos sentimos que literalmente fizémos uma viagem no tempo pois o interior é igual ao que era em 1891,data da sua construção e continua a trabalhar da mesma maneira ha mais de 120 anos.
Lá dentro tivemos a oportunidade de conhecer um escrivão,por sinal o único e o último existente no Vietname.


Fachada do posto dos correios

Vista do interior
Último escrivão existente no Vietname

Assim que deixámos o posto dos correios só precisámos de atravessar uma rua para chegarmos á catedral de Notre-Dame de Saigão,e mais uma vez a colonização francesa está na origem desta obra erguida em 1863 com materiais trazidos directamente de França.
Mesmo sendo o Budismo a principal religião do Vietname,visto que mais de metade da população segue as regras de Buda,achamos curioso que durante a manha ainda não tenhamos visto um único templo Budista e o grande símbolo religioso e turístico da cidade seja uma igreja católica construída há mais de 150 anos por um povo estrangeiro.


Notre-Dame de Saigão


O interior foi decorado de uma forma simples mas dentro do estilo usado nas igrejas da Europa ocidental,e por instantes esquecemo-nos que estávamos na Ásia,a quase 10.000kms de casa.


Interior da Catedral de Notre-Dame de Saigão

Nossa Senhora

Sto.António

Depois de almoço fomos conhecer o Palácio da Reunificação ou Palácio da Indepêndencia que é o grande ícone e também o local mais espetacular da cidade.
Está aberto todos os dias das 07:30 ás 11:00 e das 13:00 ás 16:00 e o bilhete custa 30.000VND.
Este local importantíssimo na historia do país foi originalmente construído para ser a residência oficial do governador francês e depois da sua partida o palácio foi ocupado pelo presidente sul vietnamita até 1975,altura em que as tropas do norte do Vietname invadiram o complexo e obrigaram o chefe do governo  do sul a render-se...Depois deste acontecimento foi oficialmente declarado o final da guerra do Vietname.


Palácio da Reunificação

O interior é enorme,com varias dezenas de salas espalhadas pelos quatro pisos que compõem o edifício,como tal é aconselhável guardar um bom par de horas para a visita.

Todo o espaço tem uma arquitectura e uma decoração muito típica dos anos 60 e tudo o que hoje vemos é original.
Iniciámos a visita pelo rés-do-chão que é ocupado por uma sala de reunião ,uma sala de recepção e uma sala de conferências.

Sala de reunião

Sala de receção

Sala de conferências

Nos pisos superiores ,alem das áreas de lazer que englobavam um cinema,um salão de jogos e uma biblioteca,existem também diversas salas de comando que foram usadas durante a guerra,mas o grande destaque vai para o escritório do presidente onde o chefe maior recebia os dignitários do regime e as delegações estrangeiras.


Sala de comando militar

Sala do Presidente

Sala do Presidente

Nas traseiras do palácio foram construídos alguns apartamentos privados que ao que parece eram ocupados na altura pelas altas patentes do governo.Todas as salas e acomodações estavam directamente ligadas com o heliporto que permitia uma fuga rápida em caso de emergência. 


Heliporto


 Um dos locais que desperta mais interesse nos visitantes é o bunker construído sob o palácio e composto por um conjunto de salas altamente equipadas que permitia ao presidente continuar a governar e a comandar as tropas de mesma maneira como se estivesse nos andares superiores.
Aqui tudo foi pensado ao pormenor...um cenário digno de um filme de James Bond!


Bunker-Sala de Comando

Bunker


Bunker


Voltámos á superfície,abandonámos o palácio e prosseguimos o nosso passeio pela cidade de Ho Chi Minh.Seguimos então na direção do museu das memórias de guerra.
Este é um dos locais incontornáveis e fortemente referenciado em todos os guias turísticos.
O museu está instalado naquele que durante a guerra foi o centro ou a agencia de informações dos Estados Unidos da America.

Museu das memórias de guerra

No pátio exterior podemos apreciar uma incrível coleção de máquinas,material e armamento militar que foi deixado para trás depois da derrota das tropas norte americanas.Evidentemente tudo isto é exibido com um inesgotável orgulho patriótico por parte das gentes do Vietname.


Maquinas e material de guerra norte americano

Maquinas e material de guerra norte americano

Maquinas e material de guerra norte americano

Maquinas e material de guerra norte americano

Lá dentro somos confrontados com a dura realidade do que foi a guerra do Vietname.Numa serie de salas espalhadas por vários andares estão expostas centenas de fotografias que impressionam até os mais corajosos.
Tudo isto tem o único propósito de mostrar que os norte americanos não olharam a meios para ganhar a guerra e mesmo assim não conseguiram.
Algumas das imagens exibidas ilustram o sofrimento de muitas crianças causado pelos efeitos das bombas de napalm.
Esta exposição foi sem duvida uma das mais chocantes que já visitámos.


A dura realidade da guerra do Vietname

A dura realidade da guerra do Vietname

Depois desta overdose de violência deixámos o museu e como por esta altura já deviam ser umas cinco da tarde,iniciámos o trajeto de volta ao ponto de partida.Caminhámos sem pressas e á medida que avançávamos tentávamos absorver tudo o que tínhamos á nossa volta...no fim de contas estávamos na nossa tão "amada" Asia e só queríamos desfrutar de cada momento.
Antes de chegarmos ao hotel,efectuamos uma curta passagem pelo sempre congestionado mercado Ben Thanh ou mercado central como lhe chamam grande parte dos turistas.
Bén Thành Market


Embora a aparência exterior não dê para ter a noção, lá dentro aquilo é um mundo,com milhares de bancas onde se vendem os mais variados produtos.Vimos comida,roupa,bebidas,artesanato,todo o tipo de chás e cafés,malas e artigos de necessidade diária.
O barulho e a intensa mistura de cheiros e a humidade causada pelo calor que ainda se fazia sentir aquela hora,fez com que nos sentíssemos um pouco desconfortáveis ao inicio,mas depois o corpo habitua-se e acabou por ser o local perfeito para terminarmos o nosso passeio pela cidade.


Interior do mercado

Interior do mercado

Interior do mercado


Depois do que havíamos visto durante o dia de hoje,deu para perceber claramente que a ocupação/colonização francesa não só teve mas ainda continua a ter uma grande influência na historia e principalmente na cultura do país.Quase todos os pontos de interesse que vimos ao longo do nosso passeio estão de alguma maneira ligados com esse período.
Para terminarmos o dia dentro da mesma onda fomos provar uma comida que foi deixada pelos franceses e ao longo dos anos acabou por ser adotada pelo povo Vietnamita.
Chama-se Bánh mì e é basicamente uma típica baguette francesa recheada com ingredientes locais.
Podemos encontrar esta delicia um pouco por toda a parte,seja nos mercados,nos restaurantes ou nas nas tradicionais bancas de rua.


Bánh mì

Banca de venda das típicas "sandwishes"


Banca de venda das típicas "sandwishes"

Durante todo o dia optamos por andar sempre a pé,uma vez que os principais pontos de interesse se encontram todos no distrito um,numa área que se percorre facilmente e sem grande esforço.
Foi assim que gastámos o pouco tempo que disponhamos em Ho Chi Minh City.
Um dia chegou perfeitamente para conhecer os locais mais importantes desta cidade que apesar de não ser fantástica tem o seu charme muito devido á influencia francesa presente um pouco por toda a parte.
Chegou a hora de nos despedirmos porque a viagem tem de continuar...amanhã vamos conhecer os túneis de Cù Chi.


Em baixo podem aceder a todas as nossas crónicas sobre o Vietname:
Good morning Vietneme
Ho Chi Minh
Túneis de Cu Chi
Hoi An
Ruinas de My Son
Hué parte 1
Hué parte 2
Hanoi parte 1
Hanoi parte 2
Halong Bay

Podem acompanhar as nossas viagens e ver todas as fotos desde e outros destinos na página do Diario das Viagens no Facebook.

Sem comentários:

Enviar um comentário