quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

.RIO DE JANEIRO-DIA 1


O Rio de Janeiro foi das cidades mais incríveis que visitámos e na nossa opinião o nome cidade maravilhosa assenta-lhe na perfeição.
Não foram precisas mais de vinte e quatro horas para nos apaixonarmos por esta cidade,onde o ambiente de folia é permanente e onde as pessoas vivem o seu dia-a-dia de forma despreocupada.Os Cariocas (a forma como são conhecidos) andam de chinelo no pé,são desprovidos de qualquer tipo de preconceito e têm uma vocação especial para serem felizes.Ninguém os pode julgar por isso...são livres!
Admito que nos meses que precederam a nossa visita,andávamos um pouco apreensivos devido às noticias de violência e insegurança que víamos constantemente passar nas televisões.Todos os medos e receios se revelaram injustificados e agora podemos afirmar sem nenhum problema que os meios de comunicação estão de certa forma a ser injustos para com a cidade.Andámos por lá três dias e nesse tempo nunca nos sentimos ameaçados ou em perigo.O "segredo" é tentar passar despercebido,sem objectos ou marcas que nos identifiquem como turistas.Uma t-shirt,uns calções/saia e umas Havaianas é o "traje" tradicional!
Para as fotos basta andar com uma maquina compacta que se guarde facilmente no bolso.
Nas deslocações,além dos muitos quilómetros que fizemos a pé também utilizámos os transportes públicos e foi sempre tranquilo.As pessoas são super simpáticas e sempre prontas a ajudar.
O Rio de Janeiro encheu-nos as medidas,conquistou-nos pela sua simplicidade e durante os dias que aqui estive repeti por dezenas de vezes a mesma frase:"Era capaz de viver aqui!"

-Dia #1


Chegámos à Cidade Maravilhosa numa noite chuvosa do mês de Janeiro.

Do aeroporto internacional Galeão (António Carlos Jobim) apanhámos um taxi para a zona da Lapa,local onde iríamos ficar instalados nos dias que se seguiram. 
O local que escolhemos para quartel general foi o Massapé Rio Hostel,que tal como o nome indica é um hostel com um ambiente super descontraído,gerido por pessoas de uma simpatia extrema que nos fizeram sentir em casa.Só uma dica:Evitar de ficar alojado neste local ás sextas e sábados pois nessas noites é quase impossível dormir devido ao ruído extremo "libertado" por uma discoteca que se encontra a poucos metros.
A localização é extremamente central e de onde nos deslocamos facilmente para qualquer outro ponto da cidade.
Pagámos R$ 300 (74 euros) por três noites por um quanto duplo com w.c. partilhado e pequeno almoço.


Messapé Rio Hostel
Choveu a noite inteira.Acordámos bem cedo,ainda o sol não tinha nascido,e depois de um pequeno almoço reforçado saímos à rua.Pouco passava das sete da manhã e aquela hora vespertina já o calor se fazia sentir.A chuva tinha dado tréguas mas o céu continuava carregado de nuvens cinzentas.Tínhamos de aproveitar este momento de calmaria!
A primeira paragem do dia foi na Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro também conhecida por Catedral de S.Sebastião. 
Esta obra com uma arquitectura bastante arrojada é o maior espaço de culto da cidade,podendo acolher cerca de 20.000 pessoas no seu interior.Apesar da sua decoração simples,os vitrais coloridos que rasgam as paredes e por onde entra a luz do sol dão ao espaço um ambiente bastante acolhedor.


Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro
Interior
Os Arcos da Lapa ou Aqueduto da Carioca ficam logo ali ao lado.Foram construídos para trazer agua potável aos habitantes da cidade e figuram como a maior obra erguida durante o período colonial.
Atualmente a função para a qual foi construído deixou de fazer sentido sendo a estrutura utilizada como viaduto do famoso "bondinho" que liga a estação Carioca ao Bairro de Sta.Teresa.


Arcos da Lapa
E foi precisamente na direção do bairro de Sta.Teresa que prosseguimos a nossa visita.
A meio do caminho cruzámo-nos com outra das grandes atrações desta zona da cidade.
Estamos a referir-nos à famosa Escadaria Selaron,uma obra do artista plástico chileno Jorge Selaron que resolveu cobrir de azulejos coloridos tanto os degraus como os muros das casas situadas da Rua Manuel Carneiro.
Hoje em dia é um dos locais de passagem obrigatória para quem visita o Rio de Janeiro.
Um local a não perder.


Escadaria Selaron
O tempo ia-se aguentando sem chuva e como tal continuámos a nossa subida até ao Bairro de Sta.Teresa onde chegámos pouco depois.O objectivo agora é visitar o Parque das Ruinas,situado num dos pontos mais elevados desta zona e de onde temos uma vista incrível sobre a cidade.
Como era segunda feira o espaço encontrava-se encerrado,mesmo assim conseguimos ter acesso ao jardim.


Vista a partir do Jardim do Parque das Ruinas
Estava na altura de fazer o caminho no sentido contrário,mas desta vez caminhámos em direção a zona da Glória.Quando alcançámos a Rua Augusto Severo virámos à esquerda,cruzámo-nos com uma série de pequenos parques e espaços verdes e foi já perto do mar que voltámos a fazer uma paragem.
Diante nós tínhamos o Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial,que se ergue no Parque Brigadeiro Eduardo Gomes em memória dos militares que sucumbiram durante a guerra e onde se encontram sepultados alguns dos  soldados brasileiros que morreram em Italia durante o conflito.


Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial
Foi já na Praça Floriano Peixoto,situada numa área apelidada de Cinelândia que encontrámos uma casa de câmbio e onde aproveitámos para trocar os euros que trazíamos em reais.É igualmente nesta área que se encontra a Praça Mahatma Gandhi,e os edifícios da Câmara Municipal do Rio de Janeiro a Biblioteca Nacional e o Teatro Nacional.Este último com visitas guiadas várias vezes por dia mas quase sempre esgotadas.O melhor mesmo é reservar com antecedência.


Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Teatro Municipal
Praça Mahatma Gandhi
Almoçámos,já perto da hora do lanche,umas deliciosas coxinhas de frango num pequeno boteco que encontrámos pelo caminho e seguimos em direção à Praça XV de Novembro onde visitámos o Paço Imperial.Este edifício colonial datado do século XVIII que em tempos chegou a servir de residência ao Rei D.João VI é atualmente um centro cultural onde se realizam todo o tipo de exposições.
A poucos metros fica mais um lindíssimo edifício que acolhe o Terminal Marítimo.


Paço Imperial
Terminal Maritimo
Foi já numa altura em que o dia ia bastante avançado,que cruzámos a Travessa do Comércio e chegámos à Igreja de Nossa Senhora da Candelária,que infelizmente ficou "famosa" devido a um episódio de violência praticado por alguns policias que assassinaram oito meninos de rua que dormiam nas imediações deste templo católico.


Igreja de Nossa Senhora da Candelária
O Real Gabinete Português de Leitura que fica na Rua Luis de Camões é uma riquíssima biblioteca fundada em 1837 por um grupo de emigrantes portugueses na altura em que o Rio de Janeiro era a Capital do Brasil.
A arquitectura usada na construção da fachada é claramente inspirada na do Mosteiro do Jerónimos ou na Estação do Rossio,ambos os monumentos situados em Lisboa.
Ali bem perto fica a Praça Tiradentes e a lindíssima Igreja Presbiteriana do Rio.


Real Gabinete Português de Leitura
Interior
Igreja Presbiteriana do Rio de Janeiro
Outro dos vestigios da presença lusa de outros tempos no Rio de Janeiro e local de passagem obrigatória é a Confeitaria Colombo que recentemente foi eleita um dos dez cafés mais bonitos do mundo.
Tal como o Real Gabinete Português de Leitura,também a confeitaria foi fundada em 1894 por emigrantes portugueses e durante os mais de 120 anos de história este local recebeu um sem número de clientes famosos e personalidades da alta sociedade brasileira.


Interior da Confeitaria Colombo
Terminámos o dia de forma fantástica.Depois de jantar não perdemos a oportunidade de dar um "pézinho de dança" na famosa área da Pedra do Sal,onde todas as segundas-feiras à noite se juntam sambistas amadores e profissionais que com os seus ritmos alegram o espaço.Com o passar dos anos este local transformou-se num ponto de passagem obrigatória para os turistas que visitam o Rio de Janeiro.
A chamada Roda de Samba é um programa tipicamente carioca com muita cerveja,alegria,um ambiente super descontraído e que dura até altas horas da madrugada.
O melhor de tudo e que é gratuito.Só temos de pagar as bebidas!
A não perder.
Como é um local ao ar livre quando o tempo está de chuva o espetáculo não acontece.


Pedra do Sal
Pedra do Sal
O nosso primeiro dia na Cidade Maravilhosa estava agora no fim.Apesar dos receios a verdade é que a chuva acabou por não atrapalhar as nossas andanças.
Por hoje a estória fica por aqui!
Amanhã há mais e as expectativas são enormes...

Outras crónicas sobre o Brasil:
-Rio de Janeiro Dia#1
-Rio de Janeiro Dia#2
-Rio de Janeiro Dia#3
-Paraty
-Trindade
-Petrópolis

Podem acompanhar as nossas viagens e ver as fotos deste e de outros destinos na pagina do Diario das Viagens no Facebook.

Sem comentários:

Enviar um comentário