quarta-feira, 1 de agosto de 2018

.MINAS DE QUEIRIGA-PORTUGAL


Adoramos surpresas boas, daquelas que nos fazem sorrir e nos arrepiam a pele.
Por vezes quando estamos em viagem deparamos-nos com pessoas, situações e locais inesperados que acabam por nos marcar e fazer com que um simples desvio mereça cada quilómetro acrescentado ao nosso itinerário.
Esta estória é o exemplo perfeito de uma dessas situações e tem início numa banal conversa de café na qual ficámos a saber da existência de um pequeno tesouro, daqueles que poucos têm o privilégio de conhecer.

"...fica à saída da aldeia de Queiriga. Antes de chegarem à rotunda têm do vosso lado esquerdo uma estrada de terra batida que vos levará direitinhos à entrada de mina". As indicações dadas levaram-nos sem dificuldades ao local desejado, situado no final do tal caminho de terra onde os buracos pareciam ser mais que os pinheiros que povoavam aqueles campos.

Entrámos naquela espécie de formigueiro gigantesco abandonado, de portas e janelas escancaradas, convidando a entrar os poucos que por ali passam. Hoje...talvez esta semana, somos os únicos a pisar aquele mundo subterrâneo, com galerias iluminadas por pequenas aberturas e colunas rochosas moldadas pelas mãos dos mineiros com vista a suster os tetos abobadados que fazem ecoar as poucas palavras que vamos soltando.
Lá em baixo, numa zona onde a luz quase não chega, consigo vislumbrar um lago interior de águas azuis. Por momentos pondero a descida de forma a poder fotografar o local, mas por questões de segurança decido não avançar. Não vale a pena arriscar e prefiro explorar a área superior. 









Mas afinal como surgiu a mina?
Foi o volfrâmio que nos anos quarenta fez o homem esventrar a montanha. Uma página da história mineira do nosso país foi escrita nas entranhas desta terra. Uma história cujos principais intervenientes foram homens destemidos que em troca de meia dúzia de tostões aqui trabalhavam de sol a sol, extraindo o valioso minério que ajudou a alimentar os exércitos britânicos durante a Segunda Guerra Mundial.

  • DADOS A TER EM CONTA
  • As minas de Volfrâmio de Queiriga situam-se no extremo sul da aldeia de Queiriga. Antes da chegada à rotunda que dá acesso à N329 irão encontrar do lado esquerdo um caminho de terra que passa sob uma ponte e vos levará até à entrada da mina.
  • O caminho de terra em questão encontra-se em muito mau estado. Pelo que percebemos, nos dias de chuva abundante o trajecto poderá ser dificultado pela lama.
  • A mina situa-se num local isolado, como tal aconselhamos realizar a visita na companhia de alguém, de forma a garantir o socorro em caso de acidente.
  • No interior da mina o solo é bastante irregular e repleto de pedras soltas. Aconselha-se o uso de calçado adequado.


Podem acompanhar as nossas viagens e ver as fotos deste e de outros destinos na página do Diário das Viagens no Facebook. 

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Olá Dylan. As minas estão abandonadas e completamente acessíveis a qualquer pessoa. Como referimos no texto só é preciso ter um pouco de cuidado com as rochas soltas no solo. Vale a pena visitar enquanto ninguém se lembra de vedar o local. É um daqueles tesouros pouco conhecidos e na nossa opinião com um enorme potencial turístico.

      Eliminar