quarta-feira, 16 de maio de 2018

.MOSTEIRO SUSPENSO-DATONG,CHINA


Estamos nos primeiros dias do mês de Março e o tempo que se faz sentir é uma clara mostra de que o inverno ainda está para durar.
As baixas temperaturas que me vêm acompanhando desde o início da viagem estão nesta manhã a roçar níveis negativos, muito por culpa da ausência do sol que hoje parece não ter a força suficiente para rasgar o lençol de nuvens que se estende para lá da vista.
O táxi avança a bom ritmo e já passou quase uma hora desde que deixámos Datong.
O trânsito caótico da grande cidade foi progressivamente dando lugar a uma paisagem rural onde os campos agrícolas vão alternando com modestos povoados que pouco parecem ter evoluído nos últimos anos.

Somos quatro a ocupar os assentos gastos daquele velho Toyota que com certeza já palmilhou muitos quilómetros pelas ruas e estradas do país e que hoje nos carrega numa daytrip até ao Mosteiro Suspenso.
Além do condutor, tenho também a companhia de um casal de Italianos a quem me juntei de forma a dividir as despesas e que se revelaram ótimos parceiros de conversa.

Chegámos! Com um gesto firme o homem por detrás do volante indica-nos qual a direção a seguir. 

De onde nos encontramos já se avista o famoso edifício de aspeto frágil que ali se mantém de forma teimosa agarrado ao tempo e à parede rochosa, desafiando toda e qualquer lógica da gravidade.
Compro o ingresso que me dá acesso ao espaço e antes de iniciar a subida detenho-me por breves momentos aos pés do monumento que parece ainda mais impressionante visto daquela perspetiva.





Sem pressas, caminho sobre tábuas irregulares que rangem contando sabe-se lá que estórias. Subo e desço escadas e sempre que me cruzo com outros visitantes sou obrigado a espremer o corpo de forma a não me aproximar demasiado daqueles varandins suspensos a várias dezenas de metros do chão e dos quais me prefiro manter afastado.

Uma após outra vou percorrendo as diversas divisões que compõem o Mosteiro. No ar flutua um leve aroma adocicado proveniente do incenso que arde lentamente e que se mistura na perfeição com o cheiro da madeira velha. São sobretudo pequenos santuários, todos eles envoltos numa penumbra misteriosa onde se escondem figuras de madeira gastas por sucessivos anos de exposição.








A visita ao Mosteiro Suspenso é uma espécie de janela para o passado, pendurada nas escarpas de uma das cinco montanhas sagradas da China e que por si só justifica plenamente a viagem de quase duas horas desde Datong.


-INFORMAÇÕES ÚTEIS:

.COMO CHEGAR AO MOSTEIRO SUSPENSO DESDE DATONG?
O táxi é na nossa opinião a forma mais prática de chegar ao Mosteiro Suspenso tendo como ponto de partida a cidade de Datong. A viagem tem uma duração de aproximadamente uma hora e meia e segundo apurámos tem um custo que pode ir de 220 CNY a 250 CNY. No nosso caso juntámo-nos a outras pessoas que também queriam visitar o local de forma a partilhar os custos do transporte pagando cada um dos três passageiros 75 CNY.

.QUANTO CUSTA O ACESSO AO MOSTEIRO SUSPENSO?

  • Na altura em que visitámos os mosteiro (março 2018) o ingresso teve um custo de 130 CNY 

.QUANDO VISITAR?

  • Os melhores períodos para visitar o Mosteiro Suspenso são entre os meses de Abril e Maio assim como entre Setembro e Outubro,uma vez que nestas alturas as temperaturas são mais amenas, evitando desta forma o frio dos meses de inverno, o calor abrasador e as enchentes de turistas dos meses de verão.
-OUTRAS CRÓNICAS SOBRE A CHINA:



 Podem acompanhar as nossas viagens e ver as fotos deste e de outros destinos na pagina do Diário das Viagens no Facebook. 

Sem comentários:

Enviar um comentário