domingo, 1 de março de 2015

TEMPLOS DE ANGKOR (CAMBOJA) - VISITAR UM LOCAL MÁGICO

Visitar os Templos de Angkor Wat

Provavelmente esta crónica é, de entre todas as que tenho publicado, aquela que escrevo com mais entusiasmo.
Falar sobre Angkor é quase como escrever sobre algo mágico. Este é daqueles locais que na nossa opinião todas as pessoas deveriam ter a oportunidade de visitar pelo menos uma vez na vida, e nós, que já lá estivemos duas vezes, temos a certeza que iremos regressar no futuro.
Posso tentar explicar de mil e uma formas o que senti durante as minhas visitas a Angkor, mas nunca conseguirei descrever com exatidão a emoção que de mim se apoderou quando caminhei por entre as ruínas daqueles templos que outrora fizeram parte da gigantesca antiga capital Khmer. 
Esta crónica é uma espécie de roteiro que o ajudará a gerir o tempo de visita e a escolher quais os locais de maior importância histórica.







QUANTOS DIAS SÃO NECESSÁRIOS PARA CONHECER OS TEMPLOS DE ANGKOR?

Ainda que seja possível conhecer alguns dos mais importantes templos num só dia, a verdade é que deverá prolongar a sua estadia por um pouco mais se pretender explorar o parque com a atenção que este merece. Na nossa opinião três dias é o mais aconselhável e o bilhete para esse período é aquele que sugerimos que compre uma vez que permite visitar o complexo de Angkor durante dois dias e utilizar o terceiro para conhecer os templos de Banteay Srei (situados a cerca de 50 km's a norte de Siem Reap).

O ingresso é comprado nas bilheteiras situadas na estrada principal que dá acesso à área arqueológica.

  • OS TRÊS TIPOS DE BILHETES EXISTENTES:
  • Um dia - 37 USD
  • Três dias - 62 USD
  • Uma semana - 72 USD


COMO SE DESLOCAR?

Outra aspeto que deverá ter em conta tem a ver com o meio de transporte que pensa utilizar para se deslocar.
A primeira opção e mais utilizada por grande parte das pessoas que visitam o complexo de Angkor é o tuk-tuk. Segundo percebemos o preço para um dia inteiro ronda os 12/15 USD. É importante que o montante (assim como o trajecto pretendido) fique acertado antes do início do passeio. Apesar desta opção ser mais confortável tem o inconveniente de ser na nossa opinião relativamente cara, pois se ao preço do bilhete de acesso ao parque acrescentarmos dois dias de tuk tuk gasta-se um valor muito próximo dos 100 USD.
A outra escolha é a bicicleta que pode custar entre 1,5 UDS e 3 UDS por dia, havendo alguns alojamentos que as fornecem gratuitamente aos seus hospedes.
No nosso caso andámos a pedalar durante dois dias (tanto em 2012 com em 2015) e desfrutámos de cada momento.
Para além do cansaço, o principal inconveniente das bicicletas é o sol que poderá eventualmente apanhar. Como tal sugerimos que beba muita água e que proteja as zonas do corpo mais expostas com protector solar.
Não esquecer também que o parque ocupa uma área relativamente grande e que implicará percorrer várias dezenas de quilómetros por dia. A título informativo convém saber que só a distância entre Siem Reap e a entrada da área 
arqueológico de Angkor é de 7Km's o que perfaz 14 Km's para o trajecto de ida e volta.


Nos dois dias que passámos a percorrer o complexo optámos por fazer os principais trajectos:
-Small circuit (a vermelho no mapa)
-Grand circuit (a verde no mapa)

Depois desta pequena introdução deixamos as fotos e uma curta descrição dos vários templos e ruínas que achamos que valem a pena incluir no seu roteiro de dois dias em Angkor.
De forma a conseguir visitar todos os locais abaixo indicados e caso opte por se deslocar de bicicleta, é imperativo que por volta das 8:00 am já se encontre na bilheteira para adquirir o precioso ingresso.

A NOSSA SUGESTÃO DE ROTEIRO PARA FICAR A CONHECER OS MAIS BONITOS TEMPLOS DE ANGKOR:

-DIA 1

.ANGKOR WAT

Depois de aceder ao interior da zona arqueológica pela entrada principal, este será o primeiro templo com que se cruzará. A importância e o orgulho do povo Cambojano nesta obra é tal que se tornou um símbolo do país, estando mesmo representado na bandeira nacional.
É difícil imaginar algo tão majestoso, para nós é uma das construções mais espetaculares que já tivemos a oportunidade de visitar.
Foi erguido entre 1113 e 1152 pelo antigo rei Khmer Suryavarman II e ainda hoje continua a ser o maior edifício religioso existente no mundo. A gigantesca estrutura retangular de 1,5 Km por 1,3 Km é totalmente rodeada por um fosso e é segundo dizem o mais perfeito exemplo da arquitectura Khmer alguma vez construído.
Sugerimos que não deixe passar a oportunidade de subir à torre situada na área central do monumento e de onde terá uma vista espetacular sobre uma boa parte do complexo. Para além disso não se esqueça de apreciar o magnífico painel de relevos que se estende por cerca de 800 metros ao redor do pátio principal.
Este templo deve ser visitado com calma para que se consiga explorar cada recanto nele existente. Duas horas foi o tempo que ali permanecemos.







.PHNOM BAKHENG
Regra geral este templo é essencialmente visitado ao final do dia, quando milhares de pessoas se juntam no seu ponto mais alto para assistir ao pôr-do-sol. Quando visitámos Angkor em 2012 caímos nesse erro e para além de termos estado cerca de meia hora numa fila de acesso ao espaço, quando chegámos ao topo não achámos a vista nada de especial. A confusão causada por centenas de pessoas e o permanente ruído fez com que a nossa passagem pelo local tenha sido uma completa desilusão. 
Em 2015, quando regressámos a Angkor, optámos por visitá-lo logo pela manhã e podemos garantir que foi uma experiência totalmente distinta da anterior.
Lá do alto e sempre envoltos num silêncio quase total, temos a verdadeira noção da grandeza e da extensão da selva que rodeia o complexo.
Para atingir o ponto mais elevado do monumento (que se encontra no cimo de uma colina) é necessário caminhar cerca de dez minutos. 





.BAKSEI CHAMKRONG
Fica mesmo ao lado do Phnom Bakheng e é outro dos templos que de manhã está completamente deserto.
Construído num estilo visivelmente diferente dos anteriores, este templo de arquitectura piramidal, destaca-se pela sua cor rosada que em contraste com o verde das árvores que o rodeiam proporciona a obtenção de belas fotos.
É possível subir ao nível mais elevado através de uma escadaria bastante íngreme e que na nossa opinião poderá ser pouco aconselhável a pessoas que sofrem de vertigens.





.ANGKOR THOM
Na grande maioria dos casos o acesso a Angkor Thom é feito pela South Gate.
Angkor Thom foi um grandioso complexo que no seu interior albergava os principais edifícios da civilização Khmer. As quatro entradas (cada uma alinhada com os pontos cardeais) eram e continuam a ser o único ponto de acesso ao interior desta gigantesca fortaleza. A distância entre a porta sul e a porta norte é de 3 Km assim como entre os extremo oriental (victory gate) e ocidental.
No interior de Angkor Thom ficam situadas muitas das estruturas que se seguem nesta lista e nas quais permanecemos até à hora de almoço.





.BAYON
O Bayon será certamente o primeiro templo que visitará depois de aceder ao complexo de Angkor Thom.
Logo depois de Angkor Wat esta é provavelmente a área mais visitada e não é difícil perceber porquê. A estrutura faz lembrar um imponente castelo no interior do qual se erguem 54 torres que nelas têm esculpidas quatro rostos de aspeto enigmático e que ainda hoje geram alguma discórdia. Se muitos entendidos afirmam que é a cara do rei Jayavarman VII, outros tantos parecem não ter dúvidas que é a imagem de Buda. Por último há também quem esteja convencido que é uma fusão desta duas personalidades. Seja como for, tanto no passado como agora, os passos de quem por aqui anda serão sempre vigiados.
Destaque também para os incríveis baixos relevos ali existentes.
Facilmente se "perde" uma hora para visitar este templo.




 

.BAPHUON
Mais uma das grandes obras de Angkor. O Baphuon é um enorme "templo montanha" que sobreviveu até hoje devido à persistência de um dos grupos responsáveis pelo seu restauro.
Quando foi descoberto estava completamente em ruínas e as estruturas que ainda se encontravam de pé estavam tremendamente degradadas. Nessa altura o templo ameaçava desmoronar-se a qualquer instante e a única solução era desmontar completamente todo monumento, numerar cada uma das peças, consolidar os alicerces e voltar a construir. Infelizmente a meio dos trabalhos de reconstrução os membros do Khmer vermelho tiverem a triste ideia de destruir os registos onde estavam assinalados os locais exactos da cada peça deste gigantesco puzzle.
Depois de anos de pesquisas meticulosas conseguiu-se trazer de volta à vida esta magnífica obra. O acesso é feito através de uma grande ponte de pedra.






.PHIMEANAKAS
Só uma pequena fração dos visitantes que se deslocam a Angkor perde tempo para vir conhecer este templo. O acesso é feito através de uma passagem situada do lado norte do Baphuon. A sua construção data do século X e foi ordenada pelo rei Rajandravarman.
Depois de visitar o templo sugerimos que saia na direção Este, para chegar ao próximo da lista.




.TERRACE OF THE ELEPHANTS
E eis-nos chegados a uma espécie de varanda de onde o rei presidia e assistia a cerimónias públicas ou de estado. Deste ponto mais elevado é-nos fácil imaginar como seria naquela altura a área que se situa em frente, ocupada por milhares de pessoas.
Quando descemos ao nível do solo percebemos o porquê de este local se chamar terraço dos elefantes uma vez que todo o muro que suporta aquela espécie de alpendre de pedra se encontrar decorado com dezenas de baixos relevos em forma de elefante.




.TERRACE OF THE LEPER KING
Situado no lado direito do Terraço dos Elefantes este monumento ainda parece estar envolto em algum mistério quanto à sua utilidade. 
Umas das teorias é que este altar seria utilizado em cerimónias de cremação. Ainda assim a área mais impressionante do monumento é sem dúvida a sua base que se encontra decorada com milhares de imagens que se acredita serem ApsarasAo nível do solo existe uma pequena entrada que nos conduz através de um caminho labiríntico até uma secção secreta do terraço.





.PRASATS SOUR PRAT
Esta será a última paragem antes do almoço.
Este conjunto de doze torres todas idênticas, fica situado em frente do terraço dos elefantes e até hoje nunca se conseguiu descobrir qual seria a sua verdadeira utilidade. A passagem por este local não exige mais de 10/15 minutos.




Por esta altura o estômago já deve reclamar algum aconchego.
Para almoçar, a nossa sugestão vai para um dos vários restaurantes situados na zona entre o Terrace of the Leper King e as Prasats Suor Prat.




.PREAH PITHU GROUP
Este conjunto de templos perdidos no meio da selva, fica situado por detrás dos restaurantes e pelo que testemunhámos poucos visitantes se aventuram por estas bandas.
Ao todo são cinco pequenas construções e a cada uma delas foi atribuída uma letra de forma a poderem ser identificadas (T,U,V,X e Y).







.PREAH KHAN

Está agora na altura de voltar a pegar na bicicleta e pedalar em direção à North Gate do Angkor Thom onde sem grandes dificuldades chegará em menos de dez minutos.
Daí até ao 
Preah Khan é uma curta distância. Esta é mais uma grande obra de Jayavarman VII, que ordenou a sua construção no início do século XII para celebrar a vitória do povo Khmer sobre os invasores Chams.
Ao contrário dos diversos templos que visitámos até aqui, esta grande estrutura é somente composta por um piso térreo que se estende por um sem número de galerias que abraçam um antigo mosteiro budista.
Aparentemente muito poucos trabalhos de restauro/reconstrução foram executados até a data. 
Perde-se facilmente uma hora a explorar este local.





.NEAK PEAN
Vale sem dúvida a pena visitar este local. O Neak Pean consegue transportar os visitantes para tempos passados, altura em que o império Khmer dominava esta região.
Dedicado a Buda, o templo foi mandado construir na segunda metade do século XII por Jayavarman VII e é composto por um grande reservatório de água rodeado por outros quatro de tamanho inferior. No meio do tanque principal ergue-se uma torre. A entrada/saída fica localizada a Este do Preah Khan e o acesso ao monumento central é feito através de uma passadeira de madeira.
Devido à distância que o separa dos principais templos acaba por não receber um grande número de turistas. 




.TA SOM

Esta será a última visita do nosso primeiro dia em Angkor.
O templo não é muito grande e é composto por um único nível. Depois de atravessar o fosso e passar a porta principal, irá chegar a um pequeno santuário dedicado a Dharanindravarman II (pai de Jayavarman VII).
À semelhança do Preah Khan, também este templo se encontra praticamente no estado de ruína em que foi encontrado, ainda que nos últimos anos tenham sido realizados alguns reforços na estrutura.
Para quem quer tirar fotos das famosas árvores que cresceram e asfixiam as paredes dos templos, este é o local ideal. 





.DICA DO DIA: Se optar por seguir este roteiro chegará a este ponto entre as quatro e as cinco da tarde e está agora na altura de fazer o trajecto de regresso a Siem Reap.
A melhor maneira de voltar ao ponto de partida é percorrer todo o caminho no sentido contrário, e se tudo correr como previsto ainda chegará á porta sul do Angkor Thom a tempo de assistir ao magnifico pôr-do-sol.
Na nossa opinião este é um sítio fabuloso para dar por concluído o seu primeiro dia de visita a este local magico.
Instale-se confortavelmente perto da ponte que atravessa o fosso que rodeia o Angkor Thom e desfrute de mais um momento maravilhoso.





-DIA 2 

Hoje o dia começa de madrugada!
Esta é a condição imposta para que seja possível estar por volta das 5:30 da manhã de olhos postos no grandioso templo de Angkor Wat de forma a poder assistir a um espetáculo digno de registo.
Quando chegar não estranhe se tiver de dividir o espaço com centenas de outras pessoas que ali se encontram com o objectivo de ver o nascer do sol num cenário quase surreal. 
Escolha um local que lhe agrade, instale-se confortavelmente e tente abstrair-se do ruído causado quem se encontra ao redor! 
Este é um momento único, que deve ser vivido pelo menos uma vez na vida e quando regressar a casa poderá dizer que teve o privilégio de ter testemunhado a vertente mais poética de Angkor. 
Aos poucos o sol vai aparecendo por detrás das torres do grandioso monumento e um tom acobreado invade o céu e dá cor a tudo o que nos rodeia.  




.PRASAT KRAVAN
Prasat Kravan. Foi assim que este templo foi batizado aquando da sua descoberta uma vez que até hoje nunca se chegou à conclusão de qual seria o seu nome original. O local foi totalmente limpo de toda a vegetação que o envolvia e durante um período de quatro anos (1962-1966) foram executados diversos trabalhos de recuperação.
Não esquecer de dar uma "espreitadela" ao interior das torres onde é possível ver alguns altares, assim como bonitos painéis de baixos relevos.




.SRAS SRANG
O nome significa banho real. Pensa-se que este enorme reservatório de água era utilizado em rituais de purificação não só de pessoas como de animais.
Não é um local que impressione pela sua beleza mas como o próximo templo que vamos visitar fica situado no outro lado da estrada, vale a pena vir até aqui.





.BANTEAY KDEI
Este incrível monumento foi erguido num estilo idêntico ao utilizado no Bayon mas menos elaborado. O Banteay Kdei foi outrora um complexo monástico ocupado por monges budistas mas a fraca qualidade dos materiais utilizados na sua construção assim como a precária planificação arquitetónica fizeram com que a estrutura não resistisse ao peso dos anos.
Grande parte do complexo encontra-se em muito mau estado de conservação, estando mesmo proibido o acesso a certa zonas por questões de segurança.
Ainda assim é um local que não deve deixar de visitar.






.PRE RUP
Este gigante de origem hindu foi erguido no século X e pensa-se que estava ligado a cerimónias fúnebres, uma vez que o termo pre rup ainda hoje é associado a rituais de cremação. A melhor hora para visitar este local é de manhã ou então ao final do dia, quando o sol não incide directamente no templo e os tons rosados do arenito contrastam de forma quase perfeita com a vegetação envolvente.
O acesso ao topo da estrutura está aberto ao público e lá do alto podemos vislumbrar as montanhas Kulen assim como as torres de Angkor Wat.





.TA PROHM
Se até aqui todas os locais visitados se revelaram relativamente tranquilos a verdade é que a sua chegada ao Ta Prohm irá certamente ser envolta em alguma confusão.
Este é um dos mais famosos templos de Angkor e como tal um dos mais visitados. 
Pessoas, muitas pessoas, centenas de pessoas a falar alto e que quase se acotovelam para conseguir a melhor foto das famosas árvores que cresceram sobre as paredes do templo.
Mesmo com todos estes inconvenientes é inegável a beleza de tudo o que nos rodeia, muito por culpa das raízes gigantescas que abraçam algumas secções e conferem a este local um ambiente mágico.
O Templo é enorme e facilmente se gastam duas horas para percorrer as principais áreas.





.TA KEO
De origem Hindu, este templo inacabado foi mandado erguer por Jayavarman V. Na altura da sua construção foram usadas algumas técnicas inovadoras para a época, tendo sido este o primeiro grande edifício de Angkor a ser totalmente feito de arenito.
Depois da visita aconselhamos que façam uma pausa para almoço que sugerimos que aconteça no pequeno restaurante situado em frente ao templo.





.CHAU SAY THEVADA E THOMMANON
Dois templos distintos mas muito idênticos. Ficam situados a poucos metros do Angkor Thom e apesar de pequenos são de uma enorme elegância.
São ambos de origem hindu, dedicados a Shiva e Vishnu.
Devido à fraca presença de visitantes conseguem-se tirar bonitas fotos neste local.





.VICTORY GATE
Depois de muito pedalar estamos de regresso ao Angkor Thom. Desta vez o acesso é feito através da Victory Gate, situada no lado oriental do complexo.
O imponente portal é em tudo idêntico ás portas norte e sul que cruzámos no dia anterior mas ainda assim vale a pena fazer uma pausa para uns cliques fotográficos.



Com a chegada ao complexo de Angkor Thom damos por terminado o tour de hoje.
Foram dois dias intensos onde percorremos locais de inigualável beleza e vivemos momentos que com toda a certeza ficarão gravados para sempre na nossa memória.
Esperamos que esta crónica ajude na organização da sua visita a Angkor.
Sugerimos que se deixe envolver intensamente pela história deste local e não se esqueça que tudo o que o rodeia, assim como o chão que pisou nos últimos dois dias foi em tempos ocupado por um império gigantesco que dominou grande parte do sudeste asiático.
Acreditem, Angkor é (mesmo) um local mágico!

-DIA 3
O terceiro dia deste roteiro é opcional e acaba por depender do tempo que pretender permanecer em Siem Reap. Se não se importar prolongar a sua estadia, aproveite este dia extra para ir conhecer o incrível complexo de templos de Banteay Srei, situado já perto das montanhas Kulen. 
Alugue um táxi ou um tuk-tuk e parta, não só, à descoberta de mais esta maravilha da arquitetura Khmer mas também de uma das mais importantes florestas do Camboja. 
Não se esqueça de levar consigo o bilhete que comprou para visitar o complexo de Angkor pois também lhe permite aceder aos templos de Banteay Srei. 







PARA SABER MAIS SOBRE AS NOSSAS VIAGENS E VER AS FOTOS DESTE E DE OUTROS DESTINOS ACOMPANHE O DIÁRIO DAS VIAGENS NAS REDES SOCIAIS:

3 comentários:

  1. Magnífica descrição dum lugar inigualável !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sem duvida um local magico.Já lá estivemos duas vezes e com certeza vamos regressar em breve.

      Eliminar
  2. Boas fotografias e belas descrições, sem dúvida despertou em mim a vontade de fazer esta viagem. Obrigada! Continuação de boas viagens!

    ResponderEliminar