sexta-feira, 11 de novembro de 2016

.MONTE BROMO-JAVA


Podem acompanhar as nossas viagens e ver todas as fotos desde e outros destinos na página do Diario das Viagens no Facebook.

Alguém bate à porta do quarto e interrompe o nosso sono que ainda agora começou.Ao longe oiço vozes lá fora mas não faço caso.-"Devem ser alguns hóspedes que estão a chegar agora".

Está frio e aconchego-me debaixo dos cobertores na esperança de conseguir dormir mais um pouco.
Voltam a bater,agora com mais força e lá fora alguém grita:"Está na hora!Temos de ir."
É-nos impossível ignorar aquela chamada.
Olhamos para o relógio que marca 3:45 e percebemos que estamos mesmo atrasados.
"Mas porquê que o despertador não tocou?"-Obviamente na noite anterior estávamos cansados e esquecemo-nos de ativar o alarme.
Saltamos da cama e num par de minutos estamos vestidos e prontos para iniciar mais um dia.
Já no exterior,e um pouco envergonhados pedimos mil desculpas ao guia e ao driver que nos acompanharão durante esta nossa visita ao Bromo Tengger Semeru National Park.
"Ok,no problem but we have to go now!"

Completamente ás escuras seguimos numa van por estradas desertas de terra batida.O guia explica-nos que vamos tentar ver o nascer do sol no topo do Monte Pananjakan,mas ao que parece o tempo nao está a colaborar.Mesmo com pouca luz dá para ver que o céu se encontra carregado de nuvens.Um mau presságio.
A van só nos leva até um certo ponto.A partir daqui temos de continuar a pé.
Várias outras carrinhas idênticas à nossa encontram-se também ali estacionadas e a presença de outros turistas é agora bem mais significativa.
Ainda bem que trouxemos agasalhos pois o calor que se fez sentir nos dias anteriores foi hoje substituído por um forte vento gélido que faz com que constantemente sejamos agredidos por pequenas partículas de cinza que pairam no ar.
Sempre a subir e de lanterna na mão avançamos por um trilho lamacento,até um ponto onde temos uma visão privilegiada sobre toda aquela planície e na qual se erguem uma mão cheia de cones vulcânicos.Que cenário incrível!




Aos poucos o dia vai clareando,mas o sol não aparece no horizonte.Aquelas nuvens escuras que cobrem o céu parecem dizer-nos que mais tarde ou mais cedo vamos ter chuva.Mesmo assim,conseguimos vislumbrar ao longe o enorme vulcão Semeru que de vez em quando vai aparecendo por entre aquela cortina cinzenta.Mais perto de nós e em primeiro plano o sempre ativo Monte Bromo vai ocasionalmente deixando escapar pequenas quantidades de fumo.É para lá que vamos agora... 



Depois de regressar ao local onde a van nos deixou,prosseguimos por alguns minutos num 4x4 através daquele mar de cinzas vulcânicas apelidado de Lautan Pasir.Pela janela vemos aquela paisagem fantástica passar por nós.
Sentiamo-nos presos ali dentro,estávamos ansiosos por pisar aquele solo e fazer a pé as poucas centenas de metros que nos separavam da enorme cratera do Monte Bromo.Pedimos para o driver nos deixar ali.




Temos agora duas horas para desfrutar desta experiência única e queremos aproveitar cada segundo.Empurrados pelo vento que se faz sentir,caminhamos sem pressas sobre esta paisagem lunar que na realidade assenta no que outrora foi um antigo super vulcão de proporções inimagináveis que após uma gigantesca erupção acabou por colapsar.Tudo o que resta desse "monstro" é hoje apelidado de Caldeira de Tengger.




Por nós vão passando homens que provavelmente habitam nas proximidades.Alguns deles transportam consigo cestos carregados com oferendas que os mais crentes aproveitam para comprar para mais tarde serem atiradas ás entranhas do Bromo em sinal de respeito.
Cruzamo-nos também com cavalos de aspecto negligenciado que ali se encontram com único o propósito de carregar nas suas costas alguns turistas mais preguiçosos.





À medida que nos aproximamos daquela gigantesca parede de cinzas vulcânicas,o cheio a enxofre vai-se intensificando cada vez mais.Só agora que nos encontramos a talvez duas centenas de metros de altura,é que conseguimos ter a verdadeira dimensão de tudo o que nos rodeia.
Passo a passo e em conjunto com dezenas de outras pessoas,vamos subindo a escadaria que se estende por toda a vertente da encosta e que só termina no limiar da cratera.
Lá em cima a visão é avassaladora.
Nada nos prepara para um momento destes!







Um estreito trilho apinhado de pessoas e que circunda toda a cratera é tudo o que nos separa daquele buraco vertiginoso.O vento que sopra agora com mais força faz-nos avançar como se tivéssemos na corda bamba.
Afastamo-nos o mais possível daquela enorme concentração de pessoas com o objectivo de tentar desfrutar de forma tranquila daqueles momentos únicos.
Valeu a pena a noite mal dormida,o frio que passamos e do por do sol que não vimos só para estar ali sentado na orla de um vulcão activo.





Alguns meses depois da nossa viagem o Bromo entrou em erupção.

-OUTRAS CRÓNICAS SOBRE A INDONÉSIA:

Gili Trawangan
. Gili Air
Gili Meno
Ubud
Norte de Bali
Prambanan
Borobudur


Podem acompanhar as nossas viagens e ver todas as fotos desde e outros destinos na página do Diario das Viagens no Facebook.

Sem comentários:

Enviar um comentário