quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

ROTEIRO PARA O SUL DA TAILÂNDIA - DE PHUKET A KOH LIPE EM 12 DIAS

Roteiro completo Tailândia

Na Europa está frio. O inverno obriga-nos a aquecer o corpo com os sempre chatos agasalhos que nos apertam e atrapalham os movimentos. Enquanto para lá das janelas a chuva vai caindo, nós vamos sonhando com temperaturas amenas, com mergulhos refrescantes em águas translúcidas ou até com uma cerveja fresquinha saboreada numa qualquer esplanada à beira mar.
Sabemos que o verão e os dias de calor ainda estão longe. Dizem que podemos encontra-los lá para os lados da Tailândia.
É então para lá que vamos nos próximos quinze dias.
A costa do Mar de Andaman, situada a sul, surge nesta altura do ano como uma ótima opção para as duas semanas que temos disponíveis e para as quais já traçámos um objetivo bem claro: 
Desta feita não haverá visitas culturais. Queremos acima de tudo conhecer algumas das mais bonitas praias deste país que assumidamente tem um cantinho especial nos nossos corações.



O NOSSO ROTEIRO 
O roteiro traçado afigura-se de fácil concretização, permitindo-nos andar sem pressas e dando-nos a oportunidade de tirar o máximo partido de cada um dos locais que escolhemos visitar. 
Apesar de serem centenas as ilhas existentes ao longo de toda a costa, optámos por eleger somente meia dúzia de pontos chave que nos dariam a garantia de que iríamos encontrar a tão desejada beleza paisagística, assim como um acesso descomplicado a alguns pontos de interesse situados nas proximidades.


-DIA 1
.PRIMEIRAS HORAS NA TAILÂNDIA E VIAGEM DE BARCO ENTRE PHUKET E PHI PHI DON
Este é o dia que marca o nosso regresso a um dos países que mais nos fascina do Sudeste Asiático. O avião aterra e depois das inevitáveis formalidades fronteiriças estamos de novo na Tailândia. Apanhamos um táxi e no trajeto que nos leva ao porto revivem-se momentos e matam-se as primeiras saudades.
Com o passar das horas o calor aumenta e a impaciência em chegar ao primeiro destino faz com aquela viagem de barco pareça durar mais do que seria expectável.
Já para lá do meio dia, Phi Phi Don recebe-nos com seu típico ambiente festivo.
Deixa-mos as mochilas no hotel escolhido, comemos um delicioso Pad Thai no mercado e num piscar de olhos já nos encontramos na principal praia da ilha, onde permanecemos até ao momento que o sol desaparece no horizonte. 





-DIA 2
.MADRUGAR PARA DESCOBRIR OS TESOUROS DE UMA DAS MAIS FAMOSAS ILHAS DO PAÍS
Tal como esperado o jet lag faz-nos acordar cedo e sem grandes dificuldades. Depois de na véspera termos passado grande parte da tarde a preguiçar na sempre concorrida Lah Dalam Bay, hoje decidimos afastar-nos da zona mais central de forma a podermos visitar uma série de locais menos conhecidos.
Sem saber muito bem como, queríamos chegar à Nui Beach, uma pequena praia situada num dos extremos da ilha e à qual se pode aceder através de um trilho que serpenteia por entre a densa floresta tropical.
O objetivo é alcançado sem grandes problemas e à nossa chegada constatamos que de forma surpreendente somos os únicos a pisar o areal daquela pequena baía banhada pelas águas translúcidas do Mar de Andaman.
Até ao início da tarde e antes de apanharmos o ferry para Railay ainda tivemos a oportunidade de conhecer dois ou três pequenos tesouros que nos mostraram que afinal Phi Phi Don pode ser um destino apetecível e um ótimo ponto de partida para quem deseja conhecer a região. 





-DIA 3
.RAILAY MOSTRA-NOS QUE AINDA CONTINUA A SER UM SÍTIO ESPECIAL
Havíamos chegado a Railay já perto do final do dia anterior, e para além de assistir ao primeiro pôr-do-sol desta viagem, pouco mais fizemos até nos irmos deitar. 
Hoje o dia promete ser preenchido uma vez que será o único que dedicaremos na totalidade a este local.
Mais uma vez acordamos cedo, ainda a tempo de ver o sol erguer-se sobre as águas calmas que banham a costa Este da península. 
Depois deste espetáculo matinal, toma-se o pequeno almoço de forma rápida e aproveitando a temperatura mais fresca que se faz sentir a esta hora, galgamos a encosta rochosa que nos leva primeiro à Hidden Lagoon e mais tarde ao incrível View Point de onde temos uma vista fantástica sobre duas das três praias existentes.
E se as praias foram a principal razão para a nossa passagem por Railay não é de estranhar que tenhamos dividido o tempo que restava, com passagens alternadas pelos lindíssimos areais das praias de Phra Nang e de Railay West





-DIA 4
.UMA DAY-TRIP QUE NOS LEVOU A CONHECER AS ILHAS DE KOH PODE E KOH NOK
O tempo continua ótimo e para hoje decidimos reservar um tour que nos levará a conhecer, de forma mais ou menos organizada, as ilhas vizinhas de Koh Pode e Koh Nok.
Neste tipo de tour's estamos sempre à mercê do pouco tempo disponível e as visitas aos locais propostos acabam por acontecer de forma superficial, dando-nos poucas oportunidades de assimilar uma boa parte da beleza que nos rodeia.
Outra das contrariedades é o elevado número de visitantes presentes e que literalmente são descarregados como mercadoria num pequeno espaço de terreno.
É por isso que não somos fans deste tipo de passeios, mas esta foi a opção que se revelou mais em conta e que nos permitiu conhecer estes dois locais.
Na verdade estivemos lá mas acabámos por não desfrutar como queríamos...
Ficam as fotos possíveis!





-DIA 5
.UM ÚLTIMO MERGULHO EM RAILAY E VIAGEM PARA KOH LANTA
Mais uma vez voltámos a acordar cedo. Queríamo-nos despedir de Railay da melhor forma e escolhemos a praia de Phra Nang para um derradeiro mergulho. Assim despido de multidões, aquele cenário idílico parece ganhar uma dimensão ainda maior, mostrando-nos sem filtros o porquê desta praia já ter sido considerada uma das mais bonitas do mundo.
Quase com uma hora de atraso iniciámos a viagem de barco para Koh Lanta, onde chegámos perto do meio dia. No porto temos à nossa espera um representante do hotel que de forma simpática se disponibilizou para nos ir buscar sem qualquer custo adicional para os nossos bolsos.
Nessa tarde, e depois de aconchegarmos o estômago com um delicioso Pad Thai, optámos por ver o tempo passar na bonita Relax Beach, situada a dois passos do alojamento.
Sem surpresas o dia termina com mais um incrível pôr-do-sol.





-DIA 6
.ALUGAR UMA SCOOTER E PERCORRER TODA A COSTA OCIDENTAL DA ILHA
Despertamos lentamente com o sol a entrar pelas frestas da janela. Lá fora o silêncio é esporadicamente quebrado pelo chilrear dos pássaros que àquela hora se vão passeando no alpendre do nosso bungalow, talvez atraídos pelas migalhas de bolacha por nós ali deixadas na noite anterior.
O dia inicia-se com um duche fresquinho, toma-se o pequeno almoço e logo depois, tal como combinado, a simpática senhora da receção entrega-nos as chaves da scooter que havíamos alugado na véspera e que hoje será o nosso meio de transporte.
Sem grandes acelerações avançamos pela estrada que segue paralela à costa e vamos parando nas diversas praias assinaladas no mapa. Pouco a pouco Koh Lanta vai-se revelando uma agradável surpresa, dando-nos a conhecer pequenos paraísos onde temos a oportunidade de nos sentir os únicos habitantes de uma qualquer ilha deserta.





-DIA 7
.KOH LANTA FICA PARA TRÁS E KOH MOOK DÁ-NOS AS BOAS VINDAS
Mais uma manhã e mais um local que fica para trás. Passámos dois dias em Koh Lanta e está na altura de seguir viagem rumo a um novo destino que segundo parece não nos irá desapontar.
O barco vai avançando a bom ritmo e depois de um par de horas Koh Mook surge finalmente no horizonte. Assim à primeira vista esta ilha repleta de escarpas rochosas cobertas na sua maioria por uma espessa camada de vegetação tropical, não parece ser muito grande.
O desembarque acontece de forma rápida. Deixamos a bagagem no hotel e depois de uma breve exploração da área mais central, afastamo-nos um pouco até à bonita Charlie Beach onde passamos o resto do dia.





-DIA 8
.ALUGÁMOS UM LONGTAIL BOAT E FOMOS CONHECER AS ILHAS DE KOH KRADAN E KOH NGAI 
Queríamos muito visitar as ilhas vizinhas de Koh Kradan e Koh Ngai mas estávamos pouco inclinados para mais uma vez recorrer a um daqueles tour's organizados onde tudo é feito a um ritmo alucinante.
Mesmo sabendo que iria ser um pouco mais dispendiosa, achámos que desta vez a melhor solução seria alugar um longtail boat, que nos permitiria realizar o passeio ao nosso ritmo.
Após alguma procura conseguimos encontrar um casal espanhol que concordou dividir os custos do barco e que desta forma fez cair para metade o valor a pagar pelo serviço.
A agradável companhia em conjunto com os incríveis locais que visitámos, transformaram este dia num dos melhores que tivemos ao longo desta viagem. 





-DIA 9
.UM DIA DE CHUVA QUE NOS MOSTROU O LADO MAIS GENUÍNO DE KOH MOOK
O dia amanheceu cinzento e de forma teimosa assim permaneceu durante grande parte do tempo. Hoje certamente não haverá praia e este inesperado capricho da natureza é o pretexto que precisávamos para percorrer a ilha e estar mais próximo dos seus habitantes.
Mesmo sabendo que as praias eram o principal propósito desta viagem, a verdade é que estávamos na Tailândia há mais de uma semana e ainda não havíamos tido a oportunidade de estar em contacto com o lado mais genuíno das gentes locais.
Foi um dia diferente e para falar verdade soube-nos bem mudar de registo.





-DIA 10
.A CHEGADA A KOH LIPE REVELA-NOS UMA DAS MAIORES SURPRESAS DESTA VIAGEM
Koh Lipe foi talvez o local que mais nos surpreendeu ao longo desta viagem. Durante os dias que passámos no país, e apesar de termos visitado um número bastante elevado de praias lindíssimas, ainda não havíamos visto um mar tão translúcido.
Neste dia e depois de uma breve passagem por uma pequena praia situada a escassos metros do nosso hotel, rumámos à badalada Pattaya Beach onde acabámos por ficar toda a tarde, aproveitando o tempo fantástico para passar longos períodos na água a fazer snorkling.
Como já vem sendo hábito, o dia terminou com o olhar preso no horizonte onde pouco depois das seis horas o sol se esconde para lá do mar pintado de tons laranja.





-DIA 11
.KOH LIPE RESISTE AO TURISMO E MOSTRA-NOS QUE O PARAÍSO EXISTE MESMO
Continuamos neste pequeno paraíso perdido algures no Mar de Andaman e agora que entramos oficialmente na reta final desta viagem, aproveitamos a manhã para dormir um pouco mais do que tem sido habitual.
Hoje damos início à nossa jornada em Koh Lipe com um passeio ao longo da movimentada Walking Street onde aproveitamos para aconchegar o estômago. Depois do almoço e em vez de permanecermos por um longo período num dos bonitos areais da ilha, optamos por caminhar ao longo da Sunrise Beach, refrescando-nos ocasionalmente  sempre que o corpo se começa a ressentir do calor que àquela hora insiste em nos maltratar a pele.
Já perto do final do tarde compramos umas cervejas e rumamos à Sunset Beach onde em conjunto com centenas de outras pessoas assistimos a mais um espetáculo oferecido pela Mãe Natureza.






-DIA 12
.DAMOS UM ÚLTIMO MERGULHO E DIZEMOS ADEUS À TAILÂNDIA 
Ao fim de doze dias chegou o momento de nos despedirmos da Tailândia. Foi uma viagem incrível que não deixamos que termine sem um derradeiro mergulho nas águas transparentes que banham as praias de Koh Lipe.
Agora e tal como em cada um dos dias que durou esta aventura, este país fantástico parece fazer questão de nos enfeitiçar com a sua beleza, lançando sobre nós todo o seu charme, talvez com o intuito de nos ver regressar no futuro.
E iremos certamente voltar.





INFORMAÇÕES ÚTEIS:

-COMO SE DESLOCAR
Durante esta viagem e tendo em conta que o roteiro traçado nos levaria a visitar algumas das ilhas situadas na costa ocidental do país, o meio de transporte utilizado preferencialmente foi o barco.
Uma vez que esta é uma zona onde o turismo tem um grande peso na economia local, este tipo de serviço é relativamente fácil de contratar e as deslocações acontecem de uma forma quase automatizada. Ainda assim e de forma a prevenir todo e qualquer imprevisto desagradável, sugerimos que na preparação da viagem seja feita uma pesquisa certificativa da situação atual do serviço. É importante ter em conta que tudo se pode alterar devido a condições meteorológicas adversas e que os horários e a cadência das embarcações variam de estação para estação.




-ONDE DORMIR
O Sudeste Asiático é por norma uma região onde facilmente conseguimos arranjar alojamento, seja a preços que se adaptam ás carteiras mais recheadas ou para quem prefere algo mais económico. Nesta viagem tivemos a oportunidade de experimentar de tudo um pouco. Em doze dias de viagem pernoitámos em simples bungalows de bambú e em hotéis um pouco mais sofisticados, mas todos ou quase todos perfeitamente adaptados ás nossas necessidades e com uma relação preço/qualidade satisfatória.
Gostávamos de destacar algumas das nossas escolhas, que pelo serviço prestado achamos que merecem ser tidas em conta.

.Phi Phi Don - Natacha Hotel
.Railay - Railay Garden View Resort
.Koh Lanta - Lanta Queen Resort
.Koh Mook - Koh Mook Nurse House




-AS MONÇÕES NA TAILÂNDIA
Na Tailândia a estação das chuvas divide-se em duas temporadas que por sua vez incidem em duas regiões distintas do país. 
.ENTRE MAIO E OUTUBRO: Se pretender conhecer locais como Bangkok, as Ilhas Phi Phi, Krabi, Railay, Chiang Mai assim como toda as zonas situadas ao longo da costa Ocidental (Mar de Andaman) deverá evitar esta altura do ano uma vez que existe uma maior probabilidade de ocorrência de dias de chuva, acompanhada de céus bastante nublados. 
.ENTRE DEZEMBRO E ABRIL: Se o objetivo é viajar para a costa Oriental (Golfo da Tailândia) não é aconselhável fazê-lo durante estes meses. Locais como Surat Thani ou as ilhas de Koh Samui, Koh Tao, ou Koh Phangan são de evitar nesta altura do ano. 

Ainda que os aspetos acima indicados possam de alguma forma ser tidos em conta no planeamento da sua viagem, vale a pena realçar que a Tailândia é uma das regiões do Sudeste Asiático onde as monções têm por norma um impacto relativamente reduzido, não devendo por isso ser algo que o/a impeça de realizar o desejo de conhecer este país.


PARA SABER MAIS SOBRE AS NOSSAS VIAGENS E VER AS FOTOS DESTE E DE OUTROS DESTINOS ACOMPANHE O DIÁRIO DAS VIAGENS NAS REDES SOCIAIS:

Sem comentários:

Enviar um comentário